Jornal Republicano – Órgão Regionalista das Beiras – Há 93 anos a informar
Fundador: 
Adriano Lucas (1883-1950)
Diretor "In Memoriam":  
Adriano Lucas (1925-2011)
Diretor: 
Adriano Callé Lucas

Iolanda: “Ouvir uma arena inteira a gritar e aplaudir é um som que guardo na memória para sempre”


Cristiana Bernardino (texto) Quinta, 16 de Maio de 2024

“O 10.º lugar soube a vitória”. É desta forma que iolanda, a artista pombalense que representou Portugal no Festival Eurovisão da Canção com a canção ‘Grito’, classifica a sua prestação, carregada de emoção e aplaudida por milhares.
Rodeada por um cenário onde o branco predominava, a voz potente da jovem pombalense, a coreografia e a mensagem de paz fizeram ouvir-se no grande palco da Eurovisão.
“Estive sempre confiante de que íamos ficar no top10, mesmo quando todas as ‘odds’ indicavam que iríamos ficar nos últimos cinco lugares. Acreditámos até ao fim e trabalhámos muito para isto. Estamos muito orgulhosos deste resultado. E eu estou muito orgulhosa da minha equipa”, salientou a artista pombalense ao nosso jornal.
Para iolanda, “pisar o palco da Eurovisão é indescritível a todos os níveis”, tal como a “sensação de cantar para 200 milhões de pessoas”, que diz ser “inacreditável”. “Deixa-me de lágrimas nos olhos saber que o nosso trabalho foi visto por tanta gente, principalmente enquanto artista independente”, realçou, relatando que desde os primeiros ensaios, tanto a artista como os seus bailarinos pisaram aquele palco “com muita garra” e com a intenção de “viver cada momento como o último”.
No entanto, ressalvou, “é importante durante este processo relembrar qual o propósito” de ali estar, pois “pode ser muito assoberbador”.
Com a canção ‘Grito’ e com uma atuação intensa, iolanda apresentou-se com as unhas pintadas com o padrão ‘keffiyeh’, um lenço que é símbolo da resistência palestiniana.
Em palco, quando terminou a atuação, a cantora ergueu a sua voz pela paz, afirmando que “a paz vai prevalecer”.
Para além da mensagem de paz que a artista deixou, iolanda acredita que conseguiu transmitir a essência da canção, que fala na “chama que ainda arde”, como se de uma “luz interior” se tratasse e que a cantora não quer “deixar apagar”.
 “A maior prova de que conseguimos passar a mensagem foi quando li, na altura do Festival da Canção, inúmeros comentários nas redes sociais de pessoas a falar dos meus bailarines como os meus sentimentos e sensações, ou até os meus demónios”, contou, acrescentando que as palavras não precisam de ser traduzidas, uma vez que as imagens falam por si.
“Só posso agradecer ao meu coreógrafo (Renato Garcia), ao meu diretor criativo (Du) e ao corpo de bailarines pelo trabalho e talento a preparar este momento comigo”, afirmou.
Toda a experiência de pisar aquele grande palco lhe ficará, certamente, na memória, mas “ouvir uma arena inteira a gritar e aplaudir” é um “som” que iolanda guardará “para sempre”.
Gritos também foi o que se ouviu, mas do outro lado da porta da Malmö Arena. Enquanto a final da Eurovisão decorria, milhares de pessoas protestavam contra a participação de Israel no concurso.
Questionada sobre o ambiente vivido nos bastidores da Eurovisão, perante os protestos do lado de fora, iolanda reconheceu que se vivem atualmente “tempos controversos”.
“Sabíamos que o ambiente que se iria viver dentro da Eurovisão poderia ser intenso. No entanto, a equipa maravilhosa e alguns dos concorrentes com quem fiz grandes amizades foram cruciais para proteger as boas energias. E no fim do dia conseguimos provar que é no amor e na compreensão que está a solução para tanta coisa”, realçou.
De relembrar que o vídeo da atuação de iolanda acabou por não ser publicado logo após a atuação no ‘site’ oficial, tendo sido publicado o vídeo da semi-final. Sobre o assunto, iolanda diz não ter “qualquer informação”.
Depois da participação na Eurovisão, iolanda tem à sua espera mais palcos e outros concertos, sendo que os próximos serão já nos dias 22 e 23 de maio, no Capitólio. Iolanda atuará, em Leiria, no mês de junho, no Festival A Porta, e no dia 26 de julho, nas Festas do Bodo, em Pombal. Já no dia 1 de outubro, iolanda anima a Casa da Música, no Porto.

Iolanda lança nova
música em breve

As novidades não se ficam por aqui. “Música nova a caminho”, anuncia a pombalense, que irá divulgar outras datas em breve nas suas redes sociais.
Portugal, que esteve representado por iolanda, com a canção ‘Grito’, ficou em 10.º lugar, com 152 pontos (139 dos júris internacionais e 13 do voto do público), sendo que se só a votação do júri valesse, a artista ocuparia o 7.º lugar da tabela classificativa.
Portugal recebeu pontos da Ucrânia (três), Reino Unido (12), Luxemburgo (três), São Marino (cinco), Malta (um), Croácia (12), Albânia (cinco), República Checa (três), Israel (três), Portugal (três), Arménia (10), Eslovénia (oito), Geórgia (quatro), Suíça (sete), Moldávia (quatro), Grécia (seis), Países Baixos (oito), França (12), Bélgica (dois), Islândia (quatro), Letónia (um), Irlanda (cinco), Polónia (seis), Lituânia (oito) e Suécia (quatro).
Na final, a representante pombalense apresentou-se no desfile das bandeiras com um vestido de uma marca palestiniana, que já tinha usado no domingo, no desfile na passadeira turquesa (onde desfilam os representantes de todos os países, marcando assim o início dos espetáculos ao vivo do concurso), em Malmö. |

CCDR Funtos Europeus



Edição de Hoje, Jornal, Jornais, Notícia, Diário de Coimbra, Diário de Aveiro, Diário de Leiria, Diário de Viseu